Quem sou eu

Minha foto
Marituba, Pará, Brazil
Naturologista,Iridologo,Fitoterapeuta,Universidade em Pedagogia.Pró-Reitor da UniReiki Marituba/Pará - Reiki Master,Doutorado “Stricto Sensu” em Terapia Holística,Mestre Vitalício do ConReiki -CRK 10.280,Curso de Música em Educação Profissional,etc.Email- gilakel@hotmail.com /Tel:whats (91)988659079 PortabilidadeTIM/(91) 999946364 OI

quarta-feira, 26 de setembro de 2012

Morre Mestre Cupijó, ícone da música folclórica paraense



Músico faleceu vítima de câncer, aos 76 anos,em Belém.
Corpo é velado em Cametá, cidade natal do artista.


Mestre Cupijó modernizou o Siriá e tornou o ritmo folclórico paraense conhecido pelo país (Foto: Reprodução/TV Liberal)Mestre Cupijó faleceu vítima de câncer, aos 76 anos (Foto: Reprodução/TV LiberalMestre Cupijó, um dos ícones da tradição da música paraense, faleceu na manhã desta terça-feira (25), em Belém. Há uma semana o músico de 76 anos estava internado em um hospital particular da capital paraense, onde tratava de um câncer de próstata, agravado peladiabetes. O artista morreu de falência múltipla dos órgãos.O corpo de Joaquim Maria Dias de Castro, nome de batismo de Cupijó, chegou no começo da tarde desta terça (25) a Cametá, cidade natal do músico, onde é velado numa sede de um clube particular.Segundo a família de Mestre Cupijó, o músico passou uma semana hospitalizado em Cametá e foi transferido para Belém, onde foi internado no último dia 18 e respirava com a ajuda de oxigênio. O artista deixa esposa, com quem foi casado por cinquenta anos, e seis filhos. “Não é uma perda só por ser meu pai, não é só uma perda de família, é uma grande perda para cultura do nosso estado. Ele é nosso ídolo”, diz José Joaquim Araújo, filho de Cupijó.O músico modernizou o Siriá e tornou o ritmo folclórico paraense conhecido pelo país. Lançou sete discos e uma coletânea em CD. Segundo a família, apesar do legado importante que produziu para música regional, Mestre Cupijó há alguns anos vivia da aposentadoria. Afastado dos palcos por conta da doença, o músico reclamava do ostracismo.“Há dois anos, meu pai parou de tocar, e sentiu que não era valorizado e reconhecido pela sua produção. Ele sentia que estava abandonado e esquecido. Ele se queixava disso”, revela José Araújo.Acesse:http://g1.globo.com/mestre-cupijo-                                                  

Nenhum comentário:

Postar um comentário